Saber-Literário

Diário Literário Online

 Inspiração: Filho, Como Vamos Consertar o Mundo?

Um cientista vivia atormentado pelos problemas que temos no mundo. Mas os anos passaram e ele não conseguiu encontrar soluções.

Um dia, quando não tinha escola, seu filho de dez anos entrou em seu laboratório determinado a ajudá-lo em seu trabalho.

Quando viu que não conseguia tirá-lo dali, o cientista rasgou uma página de uma revista na qual aparecia uma imagem do mundo e começou a separá-la em dezenas de pedaços, criando um quebra-cabeça para o menino.


"Olha, filho, aqui está o mundo inteiro dividido em pedaços. O jogo consiste em reunir as peças de forma que o mundo fique novamente como antes ".

O cientista calculou que, da forma que estava separado em pedaços, seu filho levaria dias para restaurar tudo. No entanto, poucas horas depois, ele ouviu a voz da criança animada: "Papai, está consertado!"


O cientista ficou chocado que todas as peças estavam exatamente no lugar certo.
"Como é possível que você tenha terminado tão rápido?"


O menino respondeu: "Quando você tirou o papel da revista para recortá-lo, notei que do outro lado da página estava a figura de um homem. E quando você me disse para consertar o mundo, eu tentei, mas eu não sabia como. Então virei os pedaços de papel e comecei a consertar o homem, que eu sabia como era. E assim que consertei o homem, virei a página novamente e descobri que o mundo estava no lugar!


Reflexão: "Seja a mudança que você quer ver no mundo" (Gandhi)

Fonte: http://www.tudoporemail.com.br/content.aspx?


O Peso da Água: Uma Lição de Vida Sobre Nossas Preocupações

Se você estivesse com um copo d’água na mão agora, qual seria a primeira pergunta que você teria em mente? Provavelmente aquela: O copo está meio cheio ou meio vazio? No entanto, esta história vai te dar uma outra perspectiva, com uma incrível lição de vida que nos ensina como lidar com as situações desafiadoras da vida e o estresse do dia a dia.







 Fonte 

Fonte: Tudo por e-mail


O Novo Governo e a educação
Arnaldo Niskier

Jair Bolsonaro, o candidato do PSL - Partido Social Liberal, foi eleito o novo presidente do Brasil, e no discurso que fez, no anúncio de sua vitória, prometeu transformar o Brasil em uma grande, livre e próspera nação, “reduzindo a sua estrutura e a burocracia, cortando desperdícios e privilégios, para que as pessoas possam dar muitos passos à frente”. Esperamos que ele seja feliz em seus objetivos, mas quais serão os seus planos para o setor da educação?

No seu programa de governo, Jair Bolsonaro reclama do baixo desempenho registrado no país no segmento da educação. Ele utiliza frases de efeito – do tipo “gastamos como os melhores” e “educamos como os piores” - para mostrar que os investimentos financeiros no setor (mais de R$ 100 bilhões) são incompatíveis com o péssimo nível educacional dos estudantes. Mais adiante, defende uma inversão na pirâmide, ou seja: o governo precisa destinar maiores aportes de recursos na educação infantil, ao contrário do que ocorre hoje, quando prioriza a educação superior. Essa proposta, se aplicada, traria uma mudança radical na política do setor.

O programa também prevê o estabelecimento de pelo menos um colégio militar em cada capital brasileira até 2020. Esse projeto de militarização das escolas como uma opção para o futuro do país foi muito defendida durante a campanha. Segundo ele, os alunos de colégios em regiões violentas melhoraram o desempenho quando militares se tornaram diretores. Ele cita os exemplos das unidades existentes no Amazonas e em Goiás, e vai listar os estados que não tenham colégio militar para que passem a contar com uma unidade. O maior deles seria construído no Campo de Marte, em São Paulo.

Além de acabar com a aprovação automática, o novo presidente apresenta uma proposta de fundo social que chama muito a atenção: alunos e professores de universidades públicas privadas seriam destacados para dar aulas de reforço escolar em áreas carentes. Ele também quer a volta das disciplinas de Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política do Brasil (OSPB), e para isso será preciso trabalhar em novos estudos para propiciar mudanças na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Lembramos que até hoje o BNCC do ensino médio está em discussão no Conselho Nacional de Educação (CNE) e não foi liberado.

Ao abordar a questão do método de gestão na educação, o programa de governo do PSL fala em revisão e modernização do conteúdo. O objetivo é claro: expurgar do sistema todas as referências às doutrinas marxistas na formação dos professores e também na alfabetização dos alunos. Em relação ao trinômio “inovação-ciência-tecnologia”, Jair Bolsonaro, que visitou diversos países, considera esgotado o modelo atual, que é centralizado e comandado de Brasília. Ele chama a atenção para os programas desenvolvidos em Israel, Estados Unidos, Taiwan, Coreia do Sul e Japão, que dão grande ênfase aos cursos técnicos e às carreiras de exatas.

Vamos esperar 2019, quando começa a gestão do presidente eleito, para que tenhamos uma visão real das suas propostas. De antemão, ele admite que é possível fazer muito mais com os atuais recursos disponibilizados para o Ministério da Educação, e isso é um bom indício. Em seu discurso, também podemos destacar o aceno que ele fez à juventude: “Aos jovens, palavra do fundo do meu coração: vocês têm vivido um período de incerteza e estagnação econômica, vocês foram e estão sendo testados a provar sua capacidade de resistir. Prometo que isso vai mudar, essa é a nossa missão. Governaremos com os olhos nas futuras gerações e não na próxima eleição”.

Fontes:


Tribuna de Petrópolis , 08/11/2018



Mano Brown e Cid Gomes têm razão, diz Marta Suplicy ao criticar PT e outras siglas

Folhapress  JOELMIR TAVARES,

Fátima Meira/Futura Press

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A senadora, ex-prefeita de São Paulo, ex-deputada federal e ex-ministra Marta Suplicy, 73, vive seus últimos dias no Senado. Em agosto, ela anunciou que estava encerrando a carreira política, não disputaria a reeleição e sairia do MDB, seu partido desde 2015.

Ela disse à Folha de S.Paulo que não sabe ao certo o que fará quando acabar o mandato, mas pensa em trabalhar com o que gosta: defesa de direitos humanos, LGBTs e mulheres. Cogita participar de um programa de TV ou ter um canal no YouTube.

"Não quero mais ser candidata a nada, mas quero continuar na política."

Petista por 33 anos, ela hoje compartilha das críticas feitas ao partido pelo rapper Mano Brown e pelo senador eleito Cid Gomes (PDT-CE) e afirma que Lula "escanteou de forma vil" o presidenciável Ciro Gomes (PDT), em quem votou.


Pergunta - Por que não tentou a reeleição?

Marta - No dia de vir para Brasília, eu não tinha vontade. Ir para o aeroporto era um suplício. Estava totalmente desmotivada, diante da política deteriorada, das vendas de emendas que eram noticiadas, dos projetos favorecendo grupos. Aquilo foi me dando ojeriza. Aí caiu a ficha: o mundo mudou, posso fazer hoje de outro jeito. O Senado não é mais uma caixa de ressonância. Fora eu também posso influenciar.

Está mesmo se aposentando?

Marta - Eu não quero mais ser candidata a nada, mas quero continuar na política. Tenho uma bagagem e posso acrescentar muito ainda.

Surpreende a sua decisão porque é incomum um político em idade ativa se aposentar.

Marta - Mas eu nunca fiz nada muito comum. Nem na vida pessoal nem na pública.

Pesou na decisão a possibilidade de a senhora enfrentar na eleição para o Senado o vereador Eduardo Suplicy (PT), seu ex-marido?

Marta - Não seria uma coisa agradável familiarmente, né? Teria um peso, mas não foi isso.

O fato de ser uma política tradicional e de ter seu nome atrelado a PT e MDB, partidos investigados, interferiu na decisão?

Marta - Avaliei. Eu tinha um perfil de já ter feito a transição do PT, mas o MDB também está muito atolado em complicações e isso podia ser utilizado contra mim. Mas não foi isso a causa da decisão, porque eu iria à luta, não tenho nada a ver com isso.

A senhora se sentia isolada no MDB?

Marta - Não, fui bem recebida. Tenho ótima relação com os senadores, o Renan [Calheiros], a Simone [Tebet], o [Waldemir] Moka. Fiz boas amizades. Gosto muito do [Romero] Jucá, acho um grande quadro político. É uma pena que ele não tenha sido reeleito e esteja também com processos complicados.

Onde a senhora se localiza no espectro político? 

Marta - A nomenclatura esquerda e direita há muito tempo não se sustenta. Eu mesma sou de esquerda em valores, mas não sou mais na economia. Mudei.

Essa degradação política que a senhora menciona, na sua avaliação, tende a permanecer? 

Marta - Houve o distanciamento da classe política com a população, o envolvimento na corrupção e a dificuldade em lidar com as questões da segurança. A eleição do Bolsonaro, uma pessoa com ideias opostas, é a consequência. Por isso eu acho que o Mano Brown tem razão. Ele colocou o PT, mas eu ampliaria para os políticos em geral [o rapper disse que, se o PT "não conseguiu falar a língua do povo, tem que perder mesmo"].

Quando a sra. se filiou ao MDB, em 2015, disse que queria um país livre da corrupção. Não via indícios de que ali também havia desvios?

Marta - Do jeito que depois ficou aparente, não. Que tinha pessoas como o [Eduardo] Cunha, o Geddel [Vieira Lima], não. Tinha falação, alguns sendo indiciados, mas não tinha a dimensão que ganhou depois. A corrupção sempre existiu, mas se agigantou nos governos petistas. O PT tem que aceitar isso. O Cid Gomes falou tudo certo, concordo plenamente [ele disse que o PT "tem de pedir desculpa, ter humildade" e reconhecer que fez "muita besteira"].

O PT fará essa autocrítica algum dia? Haddad ensaiou fazer isso durante a campanha.

Marta - Haddad não é PT. Não é orgânico.

Mas era o candidato do PT à Presidência.

Marta - Ele foi candidato porque não tinha outro nome. Na verdade, se prestou a um papel que, como o Lula devia saber, não ia dar certo. Quem é mais esperto nisso é o Lula, não somos nós.

Que papel Lula teve nesta eleição?

Marta - Tétrico. Ele focou na pessoa dele e escanteou de forma vil o Ciro Gomes, que era a candidatura com a qual as esquerdas poderiam talvez ter tido alguma chance. Eu própria votei no Ciro, porque achei que ele tinha o melhor discurso. Mas o Lula não permitiu isso. Ali ele selou o destino das esquerdas.

Qual o sentimento da senhora hoje em relação a Lula?

Marta - [Fica em silêncio por seis segundos] Vou tentar ver dentro. [Mais nove segundos calada] Ele fez tanta coisa boa, que pena que tenha estragado tudo. Não podia ter feito isso com a esperança do povo. O sentimento é de desapontamento.

No segundo turno, em quem a senhora votou?

Marta - Eu votei pela democracia. [Pronuncia o mote dos atos anti-Bolsonaro] Ele não.

Posso entender Haddad?

Marta - Você vai entender do jeito que eu falei [risos]. Votei pela democracia.

Bolsonaro pode representar risco para a democracia?

Marta - Espero que não. Nós temos instituições fortes, temos militares do lado dele que prezam a democracia.

O vice dele, general Hamilton Mourão, já falou no passado sobre possibilidade de intervenção militar e sobre autogolpe.

Marta - O vice dele é meio fora da casinha. Mas de vez em quando ele dá umas declarações que eu gosto. A interpretação dele sobre o Magno Malta é perfeita [Mourão disse que o senador se tornou um "elefante na sala" depois de ter rejeitado ser vice de Bolsonaro e que agora o governo "tem que arrumar um deserto para esse camelo"].

Prefere esperar para ver como será o governo?

Marta - É um mundo muito novo. Não sou contra o que pode acontecer. Podemos ter uma mudança significativa que pode começar com um viés autoritário e conservador, mas eu não creio que o rumo que irá tomar será necessariamente ruim. Tenho esperança em um Brasil que descubra um novo jeito de fazer política. E, se há alguma pessoa que pode fazer isso, é uma pessoa com o perfil do Bolsonaro, que não tem compromisso com nenhum partido, com toma lá, dá cá. É uma possibilidade, mas precisa ver o preço que isso vai ter em termos de autoritarismo.

Casais gays têm corrido para se casar com medo de perderem esse direito. Existe o risco?

Marta - Essa precipitação não é necessária. Acho que é um direito no qual não haverá retrocesso. O que nós teremos em relação aos homossexuais é um aumento da violência. Na hora em que o líder posa fazendo gestos violentos, é como se liberasse isso.

Onde pode haver retrocesso?

Marta - No aborto. Já tentaram muitas vezes passar uma legislação contrária e vão tentar de novo. Uma das funções do Senado vai ser cuidar para que não haja um retrocesso civilizatório.

E a situação da mulher?

Marta - Questão de gênero tem a ver com patriarcado, não tem a ver só com sexualidade, como ficam falando. O medo de levar a questão para a escola é discutir a relação homem e mulher, e isso mexe com a autoridade masculina. Eles transformam isso em uma questão que "ah, vai fazer criança virar trans". Isso é de uma ignorância profunda. Ninguém vira trans, ninguém fala que vai virar homossexual na quarta-feira. É esse pensamento autoritário que norteia o Escola sem Partido, que é outra bobagem, mas remete ao fato de as crianças não estarem aprendendo. Mas não é porque o ensino é ideologizado, é porque o professor tem uma formação péssima. O que se devia exigir é a escola com muitos partidos, que debata política, gênero e outros assuntos.

Mas a sra. diria que parte dos professores pratica doutrinação?

Marta - Acho que pode ter alguma coisa nesse sentido. E não é positivo. Mas, olha, se eu fosse ser o que a minha escola de freira me ensinou, eu não estaria aqui hoje [ela estudou no colégio católico Des Oiseaux]. Não se pode subestimar o aluno. Ele vai ouvir e buscar outras fontes de informação. O professor pode fazer a propaganda que quiser, que o adolescente vai questionar.

Sai satisfeita do Senado? 

Marta - Sou uma personalidade executiva, gosto de pôr a mão na massa, de ter o povo o tempo todo. Mas tive uma experiência legislativa profícua. Expandi minha área para além dos direitos humanos, fui uma senadora voltada para os municípios. Aprovamos na Comissão de Justiça o projeto de lei do casamento gay, que desde 2017 está no plenário para votar.

Acha possível votar neste ano?

Marta - Estou avaliando. O Legislativo continua temeroso. Quem avança é o Judiciário, que liberou o casamento homoafetivo, o aborto de anencéfalos. Então os meus projetos são aprovados, mas só que pelo Judiciário!

Fonte: Yahoo Notícias / Folha Press


Entrevista: Médica cubana denuncia Bolsonaro e lamenta ter de deixar os pacientes, “o coração chega a quebrar”

 
 Médica cubana Dainerys Sandoval
“A principal causa que nos moveu até aqui se chama humanidade. Então, o coração chega a quebrar
”, diz, emocionada, a médica cubana Dainerys Sandoval, em entrevista ao Diário Causa Operária Online.
Seu sentimento de tristeza por ter de deixar o Brasil, com a saída de Cuba do programa Mais Médicos, não é por ela, mas pelo povo pobre brasileiro, cujas medidas do ilegítimo Bolsonaro irão afetar 28 milhões de pessoas que necessitam dos cuidados dos médicos cubanos. “A gente pensa mais nos pacientes”, lamenta.

Segundo ela, o presidente eleito pela fraude impôs condições para a continuação do Mais Médicos sabendo que o governo cubano não iria aceitá-las, para jogar a culpa em Cuba. “Porque tem coisas que não têm preço: a dignidade, os valores, o respeito, o ser humano, o caráter. Essas são coisas que não se compra, e o governo cubano não iria aceitar.”

Dainerys chegou ao Brasil em 2017 para viver e trabalhar na cidade de Minas Novas, no distrito rural de Ribeirão da Folha, em Minas Gerais. Nessa cidade, com um sistema de saúde extremamente precário, 90% da população depende do SUS e existem dez UBSs, todas com profissionais do Mais Médicos, e todos cubanos. Ela e seus compatriotas deixarão o Brasil a partir do próximo dia 25.

Quando você chegou ao Brasil?

Eu cheguei ao Brasil em 10 de junho de 2017, como parte da colaboração médica cubana para o Programa Mais Médicos.

E como foi o processo para vir trabalhar no Brasil?

A primeira coisa que nós fazemos para vir ao Brasil é apresentar um currículo. Para você apresentar esse currículo, lógico, tem que ser médico formado, com mais de dois anos atuando na saúde pública em Cuba com experiência no trabalho de saúde preventiva e medicina geral integral, que é como se chama em Cuba o clínico geral.

Aí, apresentamos essa documentação para o consulado brasileiro em Cuba. Eles fazem uma seleção dos currículos. Os que forem aprovados passam então para a segunda etapa, que seria um curso de língua portuguesa e saúde pública do Brasil, que é ministrado por um professor de língua portuguesa brasileiro e um médico brasileiro que vai a Cuba para este curso. Ele demora 21 dias intensivos, com aulas das 7h às 19h. Após o curso, há as provas duplas: uma de protocolos de medicina brasileira e outra de língua portuguesa. A prova de língua portuguesa tem uma parte oral, ou seja, pode ser um monólogo, pode ser perguntas, e outra parte que é escrita. Na prova de medicina brasileira, ou seja, de protocolos de saúde brasileira, é uma prova escrita.

Logo após as provas, elas vão junto com o currículo novamente para o consulado do Brasil em Cuba, onde são analisadas pelos especialistas do tema e o médico é chamado se o consulado brasileiro aprovar o currículo e o resultado das provas.

O mediador entre os candidatos e o consulado brasileiro, em todo esse processo, é o Ministério de Colaboração Médica Cubana.

Então a seleção é rigorosa… Há muita concorrência?

Sim, o processo seletivo é mesmo muito rigoroso. Ou seja, não é assim banal, não é que eu sou médica e quero ir para o Brasil e pronto. Não, não é assim. É muito rigoroso, e tem concorrência sim, tem muita concorrência para participar.

Eu fico às vezes muito triste e revoltada quando muitas pessoas falam que duvidam de nossa capacidade, profissionalismo, também de nossa formação, com falta de respeito, sobretudo do presidente [o fascista Jair Bolsonaro]. E como um presidente não sabe como é um processo de seleção de um médico cubano para vir ao Brasil? Isso é inacreditável. Então o que eu acredito é que ele só faz para provocar, desvalorizar e desrespeitar os médicos cubanos e a medicina cubana por uma questão política. Então é muito triste.

Bolsonaro diz que os médicos cubanos no Brasil são quase como escravos do governo cubano. Pelas suas palavras, já se percebe que é mentira. Qual foi sua reação com as declarações dele sobre Cuba logo quando foi eleito (de maneira fraudulenta)?

Bom, a primeira reação que eu senti quando Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil foi de tristeza, uma imensa tristeza. E não por que eu sentisse uma admiração por algum outro partido político. Mas porque, durante toda a campanha, ele foi desrespeitando o ser humano de muitos jeitos. Depois ele foi se desculpando e falando que não queria ter dito aquilo ou isso ou aquilo outro.

Na verdade, não era um segredo para ninguém que ele seria uma pessoa desrespeitosa, até com o próprio ser humano, e seria uma pessoa preconceituosa. E eu nunca imaginei, na verdade, que o povo brasileiro fosse tomar a decisão de colocar no poder uma pessoa que não tem controle sobre si mesma, arrogante, desrespeitosa, fascista. Com ideias de tortura, e que ainda diz que ele é religioso e que “Deus acima de tudo”. Primeiramente, ele é um mentiroso, na minha opinião, um falso, e ainda assim o povo brasileiro — entre aspas — decide colocá-lo no poder.

Minha primeira reação foi de muita tristeza. E depois a de pensar o que aconteceria com o povo brasileiro, sobretudo aquelas pessoas mais pobres que precisam de projetos que as favoreçam. Então, é uma revolta. Na verdade, não tenho palavras pra expressar o que eu senti quando vi a notícia de que Jair Bolsonaro era o novo presidente do Brasil a partir do dia 1º de janeiro. É uma coisa que eu nem acreditava. E eu já falo: não porque eu tenha uma predileção por algum partido, porque na verdade eu não conheço os partidos no Brasil, eu seria incapaz de criticar. Só que, quando a pessoa não concorda ou não pensa igual aos demais, aí que é entra o respeito e é o que esse senhor não tem. Ele não tem respeito por nada nem por ninguém. Então, meu sentimento maior é de tristeza, e não por nós [médicos cubanos], mas pelo próprio povo brasileiro que vai precisar muito de pessoas que façam projetos para ajudá-los. Porque precisa de verdade.

Logo depois, eu pensei: “Gente, se ele, durante a campanha toda, uma das estratégias que usou para agradar a muitos médicos brasileiros” (não todos, porque conheço médicos brasileiros que apoiam os médicos cubano, que nos respeitam, eles sabem a qualidade do nosso serviço e da nossa formação). Mas aí entrou na minha cabeça e a primeira coisa que veio foi o programa Mais Médicos, “pelo menos a participação cubana vai embora, vai acabar. Porque se ele, na campanha já está falando mal dos médicos cubanos, está desacreditando, faltando com o respeito daquele tamanho (que não foi pouco, não, foi muita falta de respeito)”,eu pensei: “vai acabar”.

Só que minha dor não era tanto por mim, porque na verdade os médicos cubanos têm as portas abertas em Cuba primeiro, e depois no mundo todo, em muitos países do mundo. Aí, logicamente, pensei: “o programa vai acabar, pelo menos a parte cubana”. Porque, desde que ele manifestou que o programa teria novas condições, sobretudo para os cubanos, sabia que seriam condições pensadas para o governo cubano não aceitar. Porque tem coisas que não têm preço: a dignidade, os valores, o respeito, o ser humano, o caráter. Essas são coisas que não se compra, e o governo cubano não iria aceitar. E sempre falei: “vão ser medidas pensadas para o governo cubano não aceitar, e logo eles [os fascistas] poderem dizer que a culpa é do governo cubano e não do presidente eleito.”

Eu não me sinto escrava em momento nenhum do meu país. Eu aceitei, assinei um contrato em que eu sabia, quando chegasse ao Brasil, o salário que eu iria receber e eu queria mandar para Cuba e para que o dinheiro mandado para Cuba seria utilizado. Muitas pessoas não conhecem que Cuba há muito tempo é vítima de um embargo econômico aplicado pelo governo dos EUA só por ser um país socialista e porque eles não conseguiram colonizar o país. Esse embargo econômico proíbe Cuba de comprar produtos sob a patente dos EUA e, além disso, os EUA proíbem outros países de venderem esses produtos a Cuba. Esses produtos vão desde alimentação até medicamentos. Então é um problema sério. Se o governo cubano não pode comprar dos EUA (imagina só que haja algum remédio que seja só patenteado pelos EUA e Cuba não consegue comprar), o paciente pode morrer. É uma coisa muito grave que muitos não conhecem. Cuba precisa do dinheiro? Precisa. Nós damos o dinheiro conscientemente.

Muitos não entendem que nós sabemos para que se usa o dinheiro. Em Cuba, todo o mundo, sem importar a classe social, cor da pele, formação, sem importar absolutamente nada, tem saúde e educação de graça. Então, eu mando dinheiro pra Cuba? Mando. Mas eu sei para que o governo está utilizando, e eu sou feliz por isso. Precisa muito, porque para um país que tem que comprar tudo, é muito mais caro, porque não tem essa possibilidade econômica porque é um país pobre do terceiro mundo ainda. Precisa. Ninguém faz nada de graça. Talvez até deveriam ser negociados alguns termos do contrato, mas falar que o governo tem que mandar médicos para o Brasil, de graça, também não. E eu também não acho que eu seja explorada por meu país, em minha humilde opinião.

O povo queria o Lula, mas ele foi preso justamente para não se eleger. Justamente porque o povo quer programas sociais, porque precisa disso, como você disse. Como é a qualidade do sistema de saúde da cidade em que você trabalha? Qual foi a recepção da população e como foi a convivência com os pacientes?

Nesse momento, a saúde no meu município, como em quase todo o País, está passando por uma crise enorme que está atingindo a saúde de maneira bem mais forte do que outros setores. O meu município se viu muito afetado este ano, ao ponto de quase fechar o único hospital que temos aqui, por uma causa especificamente econômica, porque o governo não repassou a verba que tinha que passar para o município para os gastos com a saúde. 90% da população, nesse município, é dependente do SUS. Nosso município conta com dez Unidades Básicas de Saúde, delas quatro ficam na zona urbana e as outras seis ficam na zona rural. Todas ocupadas por médicos do programa Mais Médicos, e todos cubanos.

A saúde, de verdade, nesse momento, está em uma crise. Só para você ter uma ideia, ontem (14), quando passamos a notícia para o secretário de Saúde, ele nos olhos com os olhos cheio de lágrimas e falou: “Eu não gostei dessa notícia, estou muito triste e só penso no que eu vou fazer com a população da zona rural do nosso município, que é toda coberta por médicos cubanos.”

A recepção, pelos pacientes do município, foi ótima. O acolhimento foi maravilhoso. Pessoas muito amorosas, respeitosas, e sempre assombradas de como um médico cubano trata o paciente. “Bom dia”, um exame físico completo, medicina humanizada. Eles não cansam de repetir para você: “Nossa, ela é a médica, ela cumprimenta todo o mundo e trata bem todo o mundo.” Isso é uma coisa que me conforta. E eu gosto muito, muito mesmo. Minha convivência foi maravilhosa, não tenho nada que falar do povo brasileiro, sobretudo das pessoas com as que eu convivi. Eu só posso agradecê-los pelo carinho, tal qual eles me agradecem pelo respeito que eu tenho por eles. Porque simplesmente eles são seres humanos, para mim todo o mundo é igual. Então, foi muito bom, a convivência aqui foi maravilhosa.

Eu moro no mesmo lugar onde trabalho, bem distante do município. Já tive que fazer parto no posto, sem condição nenhuma. Então os pacientes veem o esforço que a gente faz e te respeitam por isso.

A história que você acaba de contar é muito emocionante.

Eles ficam assombrados quando a gente se encontra na rua e eu pergunto: “Você já está melhor?”

Como o povo do seu município e também os outros médicos cubanos reagiram com a notícia de que terão de partir?

Muito triste. A maioria dos médicos cubanos que eu conheço ficaram muito tristes. Sobretudo muito tristes pelos pacientes que vamos deixar aqui. Muitos acham que nós viemos ao Brasil só pela questão econômica. Lógico, também tem a ver com a questão econômica, porque a economia do nosso país, pelo que já expliquei, é um pouco difícil. Mas a principal causa que nos moveu até aqui se chama humanidade. Então, o coração chega a quebrar. Eu já recebi cartas de pessoas falando que não acreditam no que está acontecendo, o que vai ser deles sem nós. Então você fica com o coração na mão.

Para a minha enfermeira é muito triste, muito difícil. Mas a gente pensa mais nos pacientes, pois nós temos trabalho em Cuba e em muitos outros países. Então quem vai ficar desprovido são os pacientes. Me emociono quando eles vêm me ver, já chorei muito de ontem pra hoje com eles.

Percebi que você está mesmo com a voz embargada. Eu também estou emocionado. Você e seus companheiros já têm data de partida?

Começamos a sair a partir do dia 25 deste mês, de forma organizada.

O que você pretende fazer quando voltar a Cuba?

Quero fazer pediatria (rostinho com olhos de coração).

E depois pretende embarcar em alguma missão médica para outro país?

Na verdade estarei a disposição. Onde estiverem precisando de médicos para ajudar, aí estaremos. Mas sempre respeitando nossos ideais. Pois os valores não se compra.


Fonte: Diário Causa Operária Online.


TERRAS DE ITABUNA: As filarmônicas - Carlos Pereira Filho


As filarmônicas

Na porta da farmácia “Sul Baiana”, Tourinho atacava a homeopatia do Moura Teixeira. Dizia entre chicanista e irritado, a Carlos Sousa, que não acreditava nas gotas de água do Moura, nem nos espíritos que invocava. Ele não acreditava em nada dessas coisas, puras invenções de cérebros alucinados, que não tinham o que fazer. O pior, acrescentava, é que muita gente estava frequentando as sessões e invocando os guias espirituais até para decidirem os seus negócios. Com ele era diferente, usava a alopatia, acreditava na ciência. Curava com os seus remédios, as suas fórmulas. “Tinha fórmulas para tudo, desde o xarope da vida, que curava tosse em 24 horas, “o elétrico”, que matava a dor em 5 minutos, até o “creme misterioso” para fazer desaparecer catingas, frieiras, feridas, e amores perniciosos.”

            Nesta época, Itabuna colhia mais de seiscentas mil arrobas de cacau. Suas terras boas para o cacaueiro estavam plantadas. As de pecuária começavam a ser visitadas  até Má Dormida, na boca da mata. Havia um grupo numeroso de fazendeiros e um comércio em desenvolvimento espetacular. Entre os maiores lavradores se apontavam José Firmino Alves, Ramiro Nunes, Paulino Vieira do Nascimento, Tertuliano Guedes de Pinho, Antônio da Silva Botelho,  Antônio Gonçalves Brandão,  Cherubim José de Oliveira, Henrique Félix, João Pedro de Sousa Leão, Henrique Alves dos Reis, Pedro Fernandes da Rosa, Abdias Lúcio de Carvalho, José Zacarias de Sousa Freire, José Kruschewsky, Anacleto Alves da Silva e muitos outros espalhados nos cacauais, trabalhando sem cessar, na ânsia de melhores colheitas.

            No comércio também labutava muita gente boa como Quintino Meneses, Francisco Benício dos Santos, João Ribeiro Filho, Benigno Azevedo, Filadelfo Almeida, Camilo Diógenes, José Dória Filho, Francisco Briglia, Maron & Irmão, Francisco Magno Batista.

            Ainda nos anos anteriores, o município havia arrecadado, em 1909, 124 contos de réis e em 1910 a importância de 130 contos.

            A Filarmônica Lira Popular e a Minerva alegravam as festas. Não podiam encontrar-se, porque o desafio começava, dobrado atrás de dobrado, vivas de um lado, vivas do outro lado,  exaltação da Lira, reação da Minerva, e, no final, o barulho, que podia ir de um simples insulto a um tiroteio, como acontecera na noite das festas da quermesse, em benefício da “Sociedade União Beneficente Caixeiral” que Manuel Urbino e Quintino Meneses dirigiam e que nunca fez um só benefício a um caixeiro sequer.

            No domínio da intelectualidade, o que mais se salientava era o “Clube Lítero Recreativo 25 de Junho”.

            Nesse clube o farmacêutico Nilo Santana liderava, fazia discursos em todas as reuniões e discutia com o presidente Lafayette Borborema, de política adversa. Duas correntes dominavam o “Litero Recreativo” a dos poetas, e a dos prosadores e entrem poesias e prosas as sessões principiavam e terminavam.

            Numa delas, Mares de Sousa leu os versos “A glória”.

            "Estátuas há que exprimem vã justiça,
            Monumentos que atestam só vaidade
            Umas se erguem aos gritos da injustiça
            Outras cospem injúrias à verdade

            Nem sempre do saber na grande liça
            Pode-se conquistar com equidade
            Essa glória imortal que se cobiça
            E passa do presente à eternidade

            Glória não é falso monumento
            Nem é a estátua falsa do longe erguida
            Numa praça ou diante de algum templo

            É sim, do justo o nobre pensamento          
            À prática do bem! É sim, a vida
            De que lega ao porvir o bom exemplo."

            O soneto foi interpretado como bajulice a um chefe político dominante na função de prefeito, contra um seu adversário que falava sempre em belezas das estátuas.

            A coisa no “Lítero Recreativo” esteve preta, tão exaltada que Filadelfo Almeida não pôde ler a nota que havia preparado com o título “Saudades” e que assim  principiava: “Nem tudo morre. Morrer é desaparecer para sempre no ocaso do esquecimento, é ver tudo findo, a esperança, a fé. A morte é um renascimento.” E seguindo influência da corrente espiritualista do Moura Teixeira continuava: “Nem tudo morre. Morre a matéria, a forma, enquanto a essência vive para sempre”. E num arrebatamento final: “Acrisola-se a dor na seiva da fé. A alma é infinita como o próprio Deus”.

            No particular, o farmacêutico Nilo Santana não gostava muito desses arrebatamentos. Tolerava como membro do “Lítero Recreativo”. Ouvia tudo aquilo, como arroubos de literatura. Mas cientificamente pensava de forma diferente, um tanto materialista, como havia aprendido nos livros que estudara, na Academia de Farmácia.

Fonte:
TERRAS DE ITABUNA - Cap. XIII - Carlos Pereira Filho


MULHER, A POESIA DA FORÇA HUMANA - NATALLY RODRIGUES

Que um dia, nós saibamos brindar a existência desse ser que luta, inspira o mundo, é foda demais, é a força, o suor, o trabalho, o descanso, é a beleza universal de coragem, é quem vai mesmo quando todo mundo acha que ela não vai dar em nada, é ela que se ama em primeiro lugar, acredita em seus sonhos e bota a cara para que o mundo seja mais bonito, mais humano, mais igual.

Mulher. A feminilidade se expande há uma roupa bonita, uma maquiagem bem feita, uma estética. O ser mulher tem uma raiz que é o maior atributo e a maior beleza dessa divindade humana. É a força, a mulher luta como ninguém para ser quem ela é e buscar o espaço que merece na sociedade. É sangue no mesmo olhar que transpassa amor. É persistência, luta, verdade, sororidade.

Quantas mulheres nos enchem os olhos por ser de uma autenticidade gigante? De uma beleza interna que só nos resta admirar, de uma disposição para correr atrás dos sonhos e que nos inspira, faça chuva ou faça sol, elas estarão lá lutando com uma coragem e dizendo eu posso sim, se tem uma coisa que eu posso é isso.

A alma feminina não é só delicadeza, docilidade, afago. É uma alma que acredita nos seus desejos e nutre a liberdade de ser quem ela quiser ser. Sabe aquela mulher que você enxerga de forma estereotipada como um anjo frágil? Vou te contar um segredo, ela não tem nada de frágil. Não há conheça por um estereótipo. Mulher é muito mais que isso. Todos nós somos. Por exemplo, você já se sentiu intimidado por uma mulher? Pensou “como ela pode ser tudo isso?” ou “ela é demais, eu não quero estar com alguém que é tanto”. São muitas as barreiras que o ser mulher tem que enfrentar, cada dia é um novo estereótipo, um novo julgamento, e é preciso persistir para obter a visibilidade que a mulher merece, o respeito que merece, pra quem sabe um dia também receber o amor que também merece.

Cada uma tem as suas qualidades, os seus defeitos, as suas peculiaridades. E cada uma deve ter a liberdade de escolher o que quer ser, como quer viver. Cada um tem a sua vida, então se você acha bom viver de tal forma, vive a sua vida assim, e não a do outro, essa quem tem que saber como quer viver é ele, não você. Não é difícil entender, né?

É incrível a diversidade de personalidade que temos no mundo, e se possível, admirar cada uma, cada singularidade. Enxergar o outro com os olhos de quem quer ver, e não com os olhos de quem quer julgar. Mulheres é preciso sororidade. Não tem competição nesse mundo não, tem a autenticidade de ser aquilo que você é e então ser verdadeiro consigo pra poder ser verdadeiro com o mundo.

Torço para chegar o dia em que as mulheres sejam vistas como merecem, e que a sociedade aos poucos deixe de estereotipar, que a gente saiba reconhecer o outro e respeitar. Que um dia, nós saibamos brindar a existência desse ser que luta, inspira o mundo, é foda demais, é a força, o suor, o trabalho, o descanso, é a beleza universal de coragem, é quem vai mesmo quando todo mundo acha que ela não vai dar em nada, é ela que se ama em primeiro lugar, acredita em seus sonhos e bota a cara para que o mundo seja mais bonito, mais humano, mais igual.

Mulheres, vocês são o auge, a fortaleza, o horizonte. Vocês podem, e ainda mais juntas. Lutem!

NATALLY RODRIGUES
“Um ser humano aprendiz da vida, do mundo, das sensações, um ponto sem fim regido pela arte...”

Fonte:

* * *



10 Sinais de Que Sua Identidade Pode Ter Sido Roubada

Milhões de brasileiros já foram vítimas de roubo de identidade até o momento. Nos Estados Unidos, foram mais de 60 milhões - um número chocante que representa quase um sexto da população americana. Aqui estão 10 sinais de que alguém pode ter roubado sua identidade:

1. Erros na fatura de seu cartão de crédito
Nos EUA, você tem o direito de solicitar um relatório de crédito gratuito nas três principais agências do país, a Experian, a Equifax e a TransUnion, anualmente. É possível solicitar um de cada agência a cada quatro meses, permitindo que você verifique qualquer atividade suspeita em suas contas. Se você notar algo desagradável, não deixe de entrar em contato com a agência do seu banco local imediatamente. Peça-lhes para investigar e remover qualquer informação falsa do seu relatório de crédito. Isso é crucial para proteger sua pontuação de crédito no futuro.

2. Taxas de cartão de crédito inexplicadas
 Não é necessário roubar seu cartão de crédito para que suas informações sejam comprometidas. Fazer login e digitar o número do seu cartão de crédito em redes Wi-Fi públicas pode permitir que hackers acessem suas informações. Você pode evitar isso apenas inserindo os detalhes do cartão de crédito on-line enquanto estiver usando uma rede privada, como quando estiver em casa. Se os dados do seu cartão de crédito forem comprometidos, ligue para seu credor para relatar a fraude e remover a cobrança. O próximo passo é alterar seus números de cartão de crédito o mais rápido possível.

3. Você recebe chamadas de cobradores de dívidas

Receber telefonemas de cobradores de dívidas (sem estar devendo nada) é um sinal de que um ladrão de identidade está fazendo compras às suas custas. Você pode usar a linha direta gratuita 190 para que um consultor possa ajudá-lo a formular um plano de ação apropriado caso você se encontre nessa situação.

4. Você recebe um alerta de identificação de duas etapas
 Os hackers que pesquisam suas contas online podem acionar um alerta de identificação de duas etapas. Você pode evitar que isso ocorra fortalecendo suas senhas - tente combinar quatro palavras aleatórias e adicionar um número. Siga isso adicionando pelo menos uma letra minúscula e um caractere especial. Essas combinações em uma senha evitam que um golpe seja dado facilmente.

5. Saques não autorizados da sua conta bancária

Fique de olho nas retiradas de sua conta bancária, independentemente de quão pequenas elas sejam. Sabe-se que os hackers testam se as taxas são cobradas com a retirada de alguns reais de cada vez. Você deve entrar em contato com seu banco imediatamente caso veja cobranças desconhecidas, e também pedir que congelem seu crédito. Isso impedirá a abertura de novas linhas de crédito, tornando-o um alvo mais difícil.

6. Recebimento de contas para despesas desconhecidas
 Não jogue fora e nem ignore nenhuma fatura incomum recebida na sua caixa de correio. Contas ou avisos para pagamentos em atraso podem apontar para o fato de que sua identidade foi roubada. Esta instância exige que você arquive um relatório policial imediatamente. Apesar de ser improvável que o golpista seja capturado, o registro de denúncia de roubo de identidade pode ajudá-lo a reparar seu crédito no futuro.

7. Não receber as correspondências que esperava

Não receber correspondências relacionados a suas despesas também pode ser um sinal de roubo de identidade. Isso é especialmente verdadeiro para correspondências que você deve receber regularmente, como contas do cartão. Tudo o que é preciso para um ladrão redirecionar as correspondências e interceptar documentos confidenciais é saber seu nome e endereço. Certifique-se de acompanhar seus credores, se você não estiver recebendo suas contas em dia.

8. Notificação para apresentação de mais de uma declaração fiscal
 Outra fraude que os ladrões de identidade aplicam é uma declaração de imposto em seu nome, reivindicando um reembolso falso e, em seguida, deslizando-o em sua caixa de correio. Você pode saber se foi vítima disso se tiver sido rejeitado ao tentar enviar uma declaração fiscal eletrônica ou receber um reembolso de imposto que não solicitou. Estas são grandes bandeiras vermelhas para o roubo de identidade, então você deve entrar em contato com a Receita Federal imediatamente.

 9. Receber correspondência com um nome diferente

Receber correspondências endereçadas a pessoas que não sejam você mesmo, ou aquelas que moram com você, não deve ser tomada de ânimo leve. Não há como negar que erros acontecem, mas congelar seu crédito não causará nenhum dano caso você seja vítima de roubo de identidade.

10. Notificação de que suas informações estão comprometidas
 Você ficará surpreso ao saber que seu empregador pode ser uma das primeiras pessoas a saber se sua informação foi comprometida. Isso ocorre porque um ladrão de identidade que ganhou acesso ao seu INSS e nome do seu empregador atual pode tentar recolher benefícios em seu nome. Para evitar que isso aconteça, você deve sempre evitar dar o seu número de segurança social sem necessidade.

Fonte: Tudo por e-mail


A vaidade nos torna cegos

Há pessoas que por si só sentem-se melhores do que as outras. Para reforçar esse sentimento de superioridade, ainda se comprazem em receber elogios.  Sabemos que a vaidade não é virtude, mas sim um grave defeito. A vaidade é porta aberta para a queda de uma pessoa. Não devemos jamais nos sentir melhores do que os outros, por que aos olhos de Deus somos todos iguais. Ele nos ama da mesma forma, pois todos somos criação Dele.  Os elogios também são o caminho para a queda e o despertar doloroso do mundo das ilusões. Sempre que nos colocamos num plano muito superior, tanto maior a queda. Assim, ao olharmos para o próximo, busquemos mais as qualidades do que os defeitos. Quanto a nós mesmos, procuremos olhar mais para o nosso interior e verificar o que precisamos melhorar, buscando o nosso aperfeiçoamento. Acima de tudo, tenhamos humildade, para reconhecer que somos falhos e seres com muitas imperfeições, em processo de conhecimento e aprendizado. Cada qual responderá por si na prestação de contas ao Alto!!!

Fonte: Gotas de Paz



O QUE SERIA DE MIM SEM VOCÊ? – Marília Benício dos Santos

 A quem louvar pelo nascer do sol todas as manhãs?


            O sol invade a terra, espalhando com os seus raios, energia a todos, pretos e brancos, ricos e pobres, velhos e moços. Distribui igualmente sua vitalidade e à tardinha ele se vai, mas deixa de presente um espetáculo belíssimo. Um quadro que jamais alguém  conseguiu copiar. Em cada momento,  muda suas tonalidades.

            Bendigamos ao Senhor pelo sol!
           A quem louvar pela lua?
Pena que nas cidades grandes, muitas vezes não percebemos sua beleza.
A lua cheia, a lua branca, sempre companheira dos namorados, inspirando-os.

                        “Ó lua branca de fulgor e de encanto,
                        Se é verdade que ao amor tu dás abrigo,
                        Oh! Vem tirar da minha dor o pranto,
                        Oh! Vem matar esta paixão que anda comigo!”

            Esta mesma lua, quase no fim do século XX, em pleno Rio de Janeiro, continuou a ser motivo para as composições:

             “Mente quem diz que a lua é velha.”

            Bendizei ao Senhor, pela lua!

            A quem louvar, pelo mar?

            Este mar que insiste em ultrapassar os seus limites. E, com suas ondas furiosas chega até a praia, e aí, constatando com suas limitações, zangadas explodem  em espumas.

            Cuidado, mar! Você, apesar de lembrar o infinito, você é finito. Obedece ao Criador.

            Bendizei ao Senhor, pelo mar!

            A quem agradecer pelos campos cobertos das mais variadas vegetações? Cada uma com sua beleza própria.

            A quem agradecer todas as manhãs pelas gotinhas de orvalho nas folhas?

            É tão bonito a gente acordar e ver que durante a noite as plantas foram bem cuidadas. Como estão viçosas!

            A quem agradecer pela ternura das crianças? Pelo seu sorriso? Há coisa mais linda do que o sorriso de uma criança?
A quem agradecer pela alegria do jovem, pela sua vivacidade?

            A quem agradecer pela coragem dos adultos? Pela sua maturidade? Pelo seu trabalho na construção de um novo mundo?
A quem agradecer pela experiência dos velhos? Pela sua segurança?

            E a quem apelar, a quem pedir nos momentos difíceis, quando a dor bate à nossa porta? Quando não conseguimos ver o sol, nem a lua, nem as estrelas, porque dentro de nós tudo é noite?

            Quando não achamos um ombro amigo, quando não encontramos uma porta onde bater, aonde ir, Senhor?...

            ... Senão a ti?
“Todos vós que estais sedentos, vinde à nascente das águas. Vinde comer, vós que não tendes alimentos! Vinde comprar trigo sem dinheiro, vinho e leite sem pagar. Is, 55, 1”. E em Mateus 7, 7-8 encontramos também resposta para o nosso momento de aflição: “pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e abrir-se-vos-á. Porque aquele que pede recebe. Quem busca acha. A quem bate abrir-se-á.”
 É tão bom saber que Você existe e que pensa em mim.

            Obrigada, meu Deus!


 Fonte: Carrossel - Marília Benício dos Santos

Postagens populares

Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas)

"Divulgando Trabalhos Literários (Livros,Contos, Crônicas e Poesias)"

Minha lista de blogs

bookmark
bookmark
bookmark
bookmark
bookmark

Diário Online

Diário Online
rilvan.santana@yahoo.com.br

Patrono

Patrono

Perfil

Perfil
Prof. Rilvan Batista de Santana - Administrador

Google Visualizações

Google Tradutor

PARCERIAS

Bookess

ABL

R. Letras

DP

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.

Links de livros, crônicas, contos, cartas, etc.
Todos os nossos textos, abaixo, estão licenciados no Creative Commons no site Recanto das Letras.
Tecnologia do Blogger.